27/04/2009

Durma

Deixa que as mãos invisíveis do sono a imortalize em meus braços.
Durma;
leve e serena, vejo-te absovida pelo tempo.
Inerte, linda em meu colo repousas.
E em tua face imergem o que teus olhos tentam esconder.
Então reparo:
É preciso que durmas para que eu a veja.

Um comentário:

  1. Adoráveis palavras, sabe expressar muito bem o que é isso, muito bom!

    ResponderExcluir

O Blog se alimenta dos seus comentários. Obrigado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...